Novidades

  • Novidades
  • Notificações
Buscar
Pesquise mais de 1.000 cassinos, caça-níqueis e bônus

Buscas recentes

Remover

Falha ao carregar as notificações
.

Carregar novamente

Você não
tem
notificações.

Carregar novamente
Exibir tudo

Falha ao carregar as notificações
.

Carregar novamente

Você não
tem
notificações.

Carregar novamente
Exibir tudo
Conheça a história das mulheres nos jogos de azar

Conheça a história das mulheres nos jogos de azar

  • ligia gauri
  • 4 de março de 2020 (Atualizado 1 de outubro de 2020)

Feliz Dia das Mulheres! Como forma de celebrar o dia 8 de março, decidimos fazer uma viagem ao passado para relembrar alguns dos episódios da história e a importância das mulheres para a indústria dos jogos de azar. Vamos lá?

Os primórdios dos jogos de azar

Os jogos de azar são formas bem antigas de entretenimento e que, ao longo da história, sofreram muitas mudanças, especialmente com relação às regras e regulamentações. Os primeiros indícios dos jogos de azar surgiram há 4.500 anos em diversas partes do mundo, incluindo Egito, China, Índia, Grécia e Roma. Essas atividades reuniam jovens e idosos, ricos e pobres, mulheres e homens. 

Enquanto apostar pode ter surgido como parte de rituais religiosos pagãos, a prática logo se espalhou para o cotidiano, com pessoas tomando decisões importantes de acordo com o resultado de um jogo, assim como acontece hoje dia — afinal, quem nunca decidiu a sorte no cara ou coroa, não é mesmo? 

Na Roma Antiga, por exemplo, mulheres só poderiam jogar durante o Bona Dea, um festival exclusivo para pessoas do sexo feminino. Os homens, no entanto, eram livres para jogarem onde quer que desejassem. 

Outra diferença é o fato de que homens e mulheres não tinham os mesmos direitos em relação os jogos de azar. Por exemplo, na Roma Antiga os homens jogavam em suas casas e locais públicos, enquanto que as mulheres só tinham permissão para a prática de jogos de azar no Bona Dea, um festival exclusivo para pessoas do sexo feminino. Felizmente, as regras mudaram durante o reinado do Imperador Nero, e as mulheres receberam permissão para participar de diversos jogos e esportes públicos.

O famoso caso das Senhoras Faro

Vamos dar um salto na história e chegar até o século 18, período em que a prática de jogos de azar em locais públicos era inaceitável para mulheres da nobreza. Enquanto os homens com o mesmo status social apostavam em clubes, as mulheres só tinham permissão para jogar na privacidade de suas casas. 

Por conta disso, um grupo de mulheres ficou famoso na Inglaterra por organizar reuniões sociais onde poderiam jogar Faro, um tipo muito popular de jogo de cartas. Em pouco tempo, o clube recebeu o apelido de Faro Ladies. Algumas das mulheres mais conhecidas entre as Faro Ladies foram Sra. Albinia Hobart (ou Lady Buckinghamshire), Lady Sarah Archer, Sra. Sturt, Sra. Concannon e Lady Elizabeth Luttrell.  

Um grupo de mulheres ficou famoso por organizar reuniões sociais para jogar Faro e, por isso, recebeu o apelido de Faro Ladies.

Em 1792, depois da “Proclamação contra o vício”, criada pelo rei George III, elas foram alvo de críticas não apenas por infringir a lei sobre jogos — os homens faziam o mesmo! —, mas pelo simples fato de serem do sexo feminino.

As apostadoras do Velho Oeste

Sem dúvidas, cada época da história tem mulheres que se destacaram, mas vamos adiante para descobrir mais sobre as heroínas do Velho Oeste. De fato, quando a gente pensa sobre as salas de poker do período, logo imaginamos um grupo de homens, copos de whiskey espalhados e pistolas. 

Algumas jogadoras de pôquer foram tão famosas quanto os homens apostadores do Velho Oeste, como a destemida Poker Alice!

No entanto, as mulheres que praticavam jogos de azar também marcaram presença neste período! Embora não fosse algo comum, ao menos naquela época não era ilegal mulheres jogarem entre os homens. Aliás, as damas do pôquer eram tão conhecidas quanto os famosos jogadores do Velho Oeste. Poker Alice, Kitty Leroy, Lottie Deno e Maria Gertrudis “Tules” Barceló foram algumas delas. 

Cada uma delas tem histórias interessantes e que merecem ser contadas, mas hoje vamos focar em apenas uma das mais famosa, vivida pela destemida Poker Alice! Poker Alice, cujo nome real era Alice Ivers, jogou em diversas partes do Velho Oeste, como Novo México, Arizona, Oklahoma, Kansas, Texas e Dakota do Sul. Ela chegava a ganhar US$ 6.000 em uma noite e ainda era considerada uma lenda do pôquer na Dakota do Sul!

Graças a sua indecifrável poker face, Alice chegava a ganhar US$ 6.000 em apenas uma noite

Por conta de sua indecifrável expressão — ou poker face —, Alice costumava a atrair muitos homens para a mesa onde jogava. Habilidosa, ela chegava a ganhar US$ 6.000 em apenas uma noite. Mais alguns detalhes sobre essa incrível mulher: ela teve três maridos, andava armada e foi dona de seu próprio bar típico do Velho Oeste.

Las Vegas do século 20

Passamos para o século 20 e os jogos de azar ainda continuavam como uma área dominada por homens. Porém, durante a Segunda Guerra Mundial, quando a maioria dos homens foram enviados para os campos de batalha, as mulheres assumiram posições antes ocupadas apenas por pessoas do sexo masculino. Em Reno e Las Vegas, por exemplo, elas passaram a atuar como crupiê em cassinos.

Alguns dos grandes nomes do período foram:

  • Shirley Brancucci, primeira mulher crupiê de Bacará em Las Vegas. Embora ela tenha provado suas habilidades como dealer, sofreu preconceito por ser mulher e foi alvo de objetificação;
  • Judy Bayley, também conhecida como a Primeira Dama dos Jogos de Azar, foi a primeira mulher proprietária de um grande cassino em Las Vegas;
  • Claudine Williams, foi a primeira mulher a entrar para o hall da fama de Jogos de Azar de Nevada.

Jogadoras profissionais de pôquer

Um episódio marcante da história dos jogos de azar aconteceu em 1977, quando foi realizado o 1° World Series of Poker (WSOP) para mulheres. Ao longo dos anos muitos incidentes ocorreram — homens invadindo o evento para ofender as jogadoras, por exemplo.

Mesmo assim, o número de jogadoras profissionais de pôquer continuou a crescer e aqui estão alguns dos nomes mais famosos:

  • Vanessa Selbst, a única mulher a ser a número 1 do mundo, de acordo com o Global Poker Index;
  • Kathy Liebert, primeira a ganhar o Party Poker Million, em 2020, torneio de pôquer com prêmio de US$ 1 milhão;
  • Annie Duke, que conquistou o bracelete de ouro do World Series of Poker (WSOP) em 2004 e uma das maiores vencedoras de prêmio em dinheiro da história do WSOP;
  • Annette Obrestad, a pessoa mais jovem a conquistar um bracelete no World Series of Poker, que ocorreu em 2007, no torneio europeu;
  • e Vanessa Rousso, também conhecida como Lady Maverick, jogadora que vive do pôquer profissional desde 2005.

A história continua em construção

Literalmente, os jogos de azar online sofreram uma virada de jogo. Hoje, o número de mulheres e homens jogando nos cassinos online é praticamente o mesmo! Quanto às posições de liderança em companhias do setor de jogos de azar, ainda não há um equilíbrio com relação a presença das mulheres, mas dois nomes se destacam:

  • Patricia Becker, a primeira mulher a ocupar a posição de conselheira da International Association of Gambling Advisors, com mais de 35 anos de experiência no universo de jogos de azar. Becker também é especialista em normas e questões regulatórias;
  • Virginia McDowell, a única mulher presidente e CEO de uma grande operadora do setor de iGaming. Desde 2007 até a sua aposentadoria, ela recebeu inúmeros prêmios.

Feliz Dia Internacional das Mulheres!

Chegamos ao fim da nossa breve jornada, mas temos certeza de que a história das mulheres nos jogos de azar não para por aqui. Novamente, desejamos um feliz Dia Internacional das Mulheres e esperamos que vocês continuem com a gente!